BERÇÁRIO, BABÁ OU A VOVÓ?

Chega uma hora que toda mulher que trabalha fora e têm filhos vai ter que tomar uma decisão muito difícil, é quando termina a sua licença maternidade e ela precisa voltar ao trabalho. Com quem deixar o filho? Com uma babá, no berçário ou creche ou com a vovó? Qualquer que seja a alternativa sempre vai existir prós e contras.

Li um artigo na Bebe.com.br  da Maria Dolores, onde ela faz uma abordagem de cada opção, falando um pouco dos prós e contras de cada uma dessas alternativas:

Avó – Solicitar o auxílio da mãe ou da sogra é sem dúvida a alternativa que vai deixar os pais mais tranqüilos. Isso porque, além da experiência, a avó nutre um imenso carinho pela criança e seria incapaz de maltratá-la. Mas há também desvantagens. Primeiro, ela pode querer educar o bebê a seu modo, usando, inclusive, alguns conceitos já ultrapassados. Além disso, nem o pai e muito menos a mãe vão se sentir à vontade em lhe chamar a atenção quando ela fizer algo errado. Por fim, avó que é avó muitas vezes mima os netos – libera o doce antes do jantar, por exemplo.

 • Babá – É uma profissional e você poderá orientá-la sobre como quer que seu filho seja educado. Se o serviço não agradar, vale dispensá-la e contratar outra pessoa. Mas é preciso fiscalizar para ter certeza de que ela esteja cuidando bem da criança. Uma dica para averiguar seu trabalho é chegar de surpresa em casa e ver como ela se comporta. Outra desvantagem é que a babá pode faltar e deixar todos na mão.

 • Creche ou berçário – Esses estabelecimentos contam com profissionais treinados para dar o estímulo correto à cada faixa etária. Além disso, a criança não sofrerá maus-tratos porque todos os empregados estão sob a constante fiscalização dos órgãos públicos. “Mas o aconselhável é que a entrada na escolinha seja adiada até que o pequeno tenha cerca de 3 anos”, opina a psicopedagógico Celina Pires do Rio, de Belo Horizonte. “Isso porque o ambiente é passível de contaminação.” Em outras palavras, os bebês que passam a freqüentar o berçário cedo ficam mais sujeitos a viroses e outras doenças contagiosas.

Sabia que existe uma outra opção? E é sobre isso que eu falar!

Eu achei bastante realista e útil a análise feita no artigo, mas o que acontece com muitas mães é que elas não se convencem ou não sentem paz com nenhuma das opções e em minha opinião existe outra alternativa e foi a que eu pessoalmente escolhi quando tive os meus filhos e por isso decidi montar este Blog, para ajudar mães que como eu não querem deixar os filhos com uma babá, com a vovó e muito menos e um berçário.

Como eu já escrevi em outros artigos muitas mães estão deixando seus empregos após terem filhos, por tomarem a decisão de cuidarem dos seus pequenos e não abrirem mão de viver intensamente a maternidade.  Muitas mulheres no mundo todo estão abrindo mão de seus trabalhos fora de casa e voltando para suas casas. Nos Estados Unidos virou uma verdadeira revolução no mercado de trabalho, tamanho o número de mulheres que deixam seus empregos para ficarem em casa cuidando dos filhos. Algumas voltam ao mercado após as crianças irem para a escola e outras montam seus próprios negócios ou continuam com seus trabalhos em casa, mesmo com os filhos crescidos. Muitas mães se sentem realizadas e até mesmo na maioria das vezes ganham mais do que quando trabalhavam fora.

Na verdade não existe uma solução definitiva para o dilema do que fazer quando termina a licença maternidade e cabe a cada família fazer uma análise e pesar os prós e contras de cada uma dessas opções e tomarem a melhor decisão para toda família.

Leia também:

5 OPORTUNIDADES DE TER UM TRABALHO EM CASA


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *