Amélias do século XXI

Nós mães gostamos de estar por dentro de assuntos como criação de filhos, trocar experiências com outras mães, enfim… Tudo que diz respeito ao universo materno nos interessa, pelo menos comigo é assim, estou sempre atrás de novos conhecimentos para me tornar uma mãe melhor e semana passada encontrei um blog de mães que amei e recomendo totalmente:

Coisas que mães gostam – da Juliana Martucci.

coisas que mães gostam

Blog

Conversei com a Juliana e lhe pedi para compartilhar com minhas leitoras um dos seus textos maravilhosos que expressam tão bem o coração de muitas mães. O meu coração, particularmente, ficou tocado com suas sábias palavras. Segue o artigo:

Amélias do século XXImulher de hoje

É claro que o Mário Lago pegou pesado na descrição da sua “Amélia” ideal…”Achar bonito não ter o que comer e não ter a ‘menor’ vaidade” é um grande exagero! Por causa dele, nós mulheres detestamos esse “título”, ainda mais no mundo em que vivemos… Mas, exageros à parte, fiquemos com a beleza da canção: Amélia, a “mulher de verdade”!

Gosto de ouvir e observar pessoas, suas experiências e formas de enxergar a vida. Agora sendo mãe, tenho dado atenção especial a elas, mulheres lindas, cada uma do seu jeito, mesmo quando não sabem que são. Certas ou erradas, estão quase sempre buscando fazer o melhor, de acordo com o que aprenderam, com a lente que enxergam o mundo e a si mesmas. E às vezes a solução do problema é mais simples do que elas imaginam. Basta trocar os óculos.

Começo minha jornada de mãe inexperiente experimentando várias lentes, cores e modelos de óculos, tentando aprender com experiências alheias (ainda que meus maiores mestres sejam Deus, meu guia, e minha própria filha, que me ensina a ser mãe diariamente). Ainda estou buscando meu caminho. Mas algumas conclusões já me arrisco a tirar, não por saber alguma coisa, mas por observar fatos e frutos ao meu redor.

Depois de séculos de “amelice” e mais algumas décadas de “feminice”, acho que a mulher está começando a encontrar seu verdadeiro lugar, seu ponto de equilíbrio. A Amelia do Mario Lago tinha um universo muito limitado: as 4 paredes da casa, o marido, os filhos, o tanque e o fogão. Ponto. A feminista pulou a janela, vestiu as calças, bancou o homem da casa, e foi ganhar dinheiro. Delegou a função “mulherzinha” pra outras pessoas. O mundo ganhou muito com isso, mas a família perdeu muito mais. Continuamos no 1 x 0. E agora?

Agora a mulher já sabe que a casa é pequena demais pra ela, mas que o mundo também é grande demais para ela abraçar. Então ela começa abrir as portas e janelas de casa pra deixar o sol e o mundo entrar. Sim, ela busca seu lugar ao sol, mas o cenário central de sua vida volta a ser seu lar e sua família, o resto é consequência. Vamos chamá-la de Amélia do século XXI, e talvez eu e você passemos a gostar um pouco mais desse título…

Ela é a principal agente da dinâmica do seu lar, não terceiriza suas responsabilidades de mãe, encoraja seu marido, busca o bem estar de todos; e mesmo quando não tem marido, não tenta ser o homem da casa, porque ser “mulher de verdade” já é o bastante. Essa mulher não acha bonito passar fome, se for preciso vai à luta. Não domina, nem é dominada, mas caminha lado a lado, é parceira, uma forte aliada do homem. Sabe respeitar o lugar e a função dele, mas assume seu papel também, não pra competir, mas pra cooperar. Gosta de ser protegida e se deixa ser. Entende o amor como uma forma de servir e não ser servida. Não é passiva, é pró-ativa. Tem até uma certa vaidade, mas não é escrava disso. Ela é antenada, virtualmente e socialmente inteirada do que acontece ao seu redor. Fala de política, beleza, educação de filhos e espiritualidade, mas não perde muito tempo com futilidades. Sim, ela adora produzir, busca realização própria, sabe que tem muito a contribuir com a sociedade, conhece seu valor, não tem medo do trabalho, é multifacetada. Mas também conhece a ordem perfeita das coisas e não perde o foco. Sua casa não é um dormitório, é um lar. Conhece a diferença entre ensinar e educar, preço e valor, ser e ter, dizer que ama e efetivamente amar. O dinheiro não dita suas prioridades. Sua família é sua maior missão. Ela agrega valores que transcendem o aqui e agora no seu lar todos os dias, ajunta e não espalha, edifica e não destrói. É coluna do seu palacete, serva e princesa. Um farol aceso para seus filhos e marido.

O velho sábio a chamou de mulher virtuosa a milhares de anos atrás:

Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis.” (Provérbios 31:10-31)

Você duvida que esta mulher existe? Troque suas lentes. Você pode ser uma delas.

 


Comentários

Amélias do século XXI — 2 Comentários

  1. Oi Valquiria!
    fico super feliz que tenha gostado do blog e mais feliz ainda por saber que você tem o privilégio de ter dois filhos e desfrutar deles. Que Deus continue abençoando sua família e te dando sabedoria!
    Beijos!

  2. Adorei tudo q vc postou…eu sou mãe d dois meninos adoro paparica-los..claro q tem dia q estamos meio estressadas..mas vale a pena ficar c eles e cria-los do nosso jeito…parabéns!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *